De Mãos Dadas

26 de novembro: Dia Mundial da Oliveira

Aprovado por unanimidade em 2019 pela UNESCO, o Dia Mundial da Oliveira celebra-se anualmente o 26 de novembro e não só conmemora a planta arbórea mais extendida no mundo, mas também os símbolos que encarna: paz, sabiduria e armonia.

Segundo a UNESCO a oliveira é um elemento fundamental da paisagem de toda a Península Ibérica, que conta com mais do 60% do cultivo de oliveira da União Europeia, e contribui ao desenvolvimento económico e social sustentável das comunidades rurais. Tem sido um elemento de unidade e diversidade de todas as culturas desde tempos inmemoriais, trascendendo fronteiras e permitindo frutíferos intercâmbios entre os povos. No entanto, o “mar de olivos” de Jaén, é desde este ano, candidato a Património Mundial. Aliás, Portugal conta com o olivo mais velho da Europa localizado em Mouchão e que tem 3.350 anos.

Chegada à Península da mão dos comerciantes fenicios, a presença da oliveira condiciona até a própria toponímia do território, com cidades como La Oliva, Olivença, Oliva de la Frontera, ou o Monasterio de la Oliva, em Espanha, e a freguesia de Santa Maria dos Olivais de Lisboa ou Oliveira de Azeméis, em Portugal. Também influi na patronímica sendo habitual encontrar nos nossos países apelidos como Oliveira em Portugal ou Olivares em Espanha.

26 de novembro: Dia Mundial da Oliveira

Dia Mundial da Oliveira (Gerador)

18 de novembro: Dia Mundial del Arte Islámico

Espanha e Portugal partilham um substrato arqueológico comum produto da realidade histórica da Península Ibérica até a Idade Meia, pois as diferentes culturas e povos que ocuparam a Península fazem possível encontrar ao longo do território dos dois países restos pré-históricos, fenícios, pré-romanos, romanos, visigodos ou andalusies.

Tanto em Portugal como em Espanha podemos encontrar hoje vestígios de impressionantes edifícios islâmicos como a Porta da Vila de Faro, a Mesquita de Mértola, a Medina de Elvas, ou a Mesquita de Córdoba, a Alhambra de Granada e a Aljafería de Zaragoza.

Estas construções foram realizadas durante o período de ocupação andalusí que, desde o século VI, e durante quase oito séculos, foi comum à grande parte da península, e refletem um passado histórico partilhado entre os dois países.

A beleza destes edifícios atrai anualmente centenas de milhares de visitantes de todo o mundo, e constituem uma parte indispensável do património e da riqueza arquitetónica de Espanha e Portugal.

18 de novembro: Dia Mundial del Arte Islámico

Córdoba (Pixabay)

16 de novembro: Dia Mundial do Flamenco

No día 16 de novembro de 2010, o flamenco foi declarado patrimônio imaterial da humanidade pela UNESCO. Misturando canto, dança e música, é uma expressão artística cujas origens estão na Andaluzia, um território do sul da península, e que hoje é considerado um dos gêneros musicais espanhóis mais conhecidos no estrangeiro.

Do mesmo modo, encontramos em Portugal o fado, um género artístico e musical também declarado património imaterial da humanidade em 2011, e que é parte indissolúvel dos sons mais característicos do país.

Muitos interrogam-se sobre a possível relação entre esta música tradicional portuguesa e o flamenco. Alguns especialistas situam a origem do termo “fandango” no termo português “fado”, que vem do latim “fatum, destino, destino”. Em Portugal, no início do século XVI, a palavra “enfandangado” foi utilizada para designar uma canção popular, e só em 1705 o termo “fandango” foi utilizado na dica anónima “O namorado do aldeão”.

A relação entre esses gêneros não é apenas linguística. De origem popular, ambos falam de temas existenciais comuns à experiência humana, como o amor, a morte ou a perda, a partir da canção e do acompanhamento musical do violão. Muitas são as colaborações que vêm sendo feitas entre artistas de ambos os gêneros, e sua fusão continua até os dias de hoje para unir a cultura musical dos dois países.

16 de novembro: Dia Mundial do Flamenco

Flamenco (freepik)

4 de novembro: Dia da UNESCO

O 4 de novembro é Dia da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. É um dia onde se comemoram todas e cada uma das conquistas desta organização.

No âmbito cultural devemos senhalar que Espanha e Portugal sao dois dos paises com mais elementos considerados pela UNESCO como Património Mundial, quer seja material ou imaterial. Existem 49 bens culturais declarados Patrimônio da Humanidade na Espanha. Isso torna-o o segundo com mais declarações na Europa e o terceiro no mundo. Da sua parte, Portugal conta com 17 bens culturais declarados Património Mundial.

No Patrimómio Imaterial são sete as manifestações declaradas património mundial imaterial e doze por parte de Espaha. Mas, o mais destacado são aquelas manifestações que partilhamos ambos paises a cetraria ou a dieta mediterráneca, no âmbito do patrimonio imaterial, assim como espaços como os parques Foz Coa e Siega Verde ou os Parques Naturais de Gerês e Xures no norte de Portugal e sul da Galiza.

4 de novembro: Dia da UNESCO

Cetraria (Pixabay)

31 de outubro: Mérida – Évora

Pelo Dia Mundial das Cidades, celebrado hoje 31 de outubro, queremos trazer esta comparativa entre duas cidades patrimoniais, faros culturais de regiões transfronteiriças como o Alentejo e Extremadura que mostram a riqueza cultural e patrimonial do terriotorio comum que partilham Espanha e Portugal.

As cidades de Mérida e Évora tem um passado comum e romano, assim como ambas as cidades foram declaradas Património Mundial da Humanidade, Évora desde 1986 e Mérida desde 1993 e a segunda em 1986. As duas com uma postal parecida conformada pelo icónica imagem que representam os bem conservados templos de Diana de uma e outra cidade. Atualmente, Mérida e Évora trabalham conjuntamente na valorização do património, a cultura e o turismo de ambas as cidades e, por extensão, de Extremadura e o Alentejo.

31 de outubro: Mérida – Évora

Mérida – Évora (Gerador)

27 de outubro: Fados

Pelo Dia Mundial do Património Audiovisual queremos recordar Fados, um filme documentário de Carlos Saura lançado em 2007 no âmbito da sua trilogia sobre a canção urbana moderna que começou com Flamenco (1995) e Tango (1998).

Saura utiliza um gênero próximo ao documentário sem enredo ou protagonistas que com grande beleza visual representa um musical em sua forma mais pura. Saura, reconhecido amante da música e da dança, mostra a sua admiração com Portugal. Para dar uma visão global do fenómeno, o realizador contou com o grande representante do fado Carlos do Carmo, assessor musical do filme, e vencedor do Goya à Melhor Cançao Original junto com Fernando Pinto do Amaral por Fado da saudade. Também aparecem outros artistas como Mariza, Camané, Lila Downs, Caetano Veloso ou Miguel Poveda, Ricardo Ribeiro ou Carminho, alguns jovens promessas na altura e hoje consolidados como grandes figuras musicais.

27 de outubro: Fados

Fados (Gerador)

16 de outubro: Dia Mundial da Alimentação

A dieta mediterrânea, declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2013, é partilhada por vários países da bacia do Mediterrâneo, como Chipre, Croácia, Espanha, Grécia, Itália, Marrocos e Portugal, está no ADN da cozinha espanhola e portuguesa.

A relação gastronómica entre Espanha e Portugal é ainda mais estreita. A mesma situação no espaço e experiências históricas partilhadas ao longo do tempo levaram à criação de uma cultura culinária partilhada, com múltiplas coincidências e influências recíprocas, embora com perfis bem definidos, que lhe conferem personalidade própria, sempre com peculiaridades diferenciadas, mas com muitos elementos comuns, dentro de uma grande riqueza e diversidade.

Hoje, podem conhecer alguns dos mais innovadores e destacados chefs de Espanha e Portugal nas nossas Batalhas Gastronómicas, no âmbito do programa E῀P Colab que desenvolvemos com Gerador.

16 de outubro: Dia Mundial da Alimentação

Dia Mundial da Alimentação (Gerador)

10 de outubro: Giner de los Ríos

Um 10 de outubro como hoje nascia Giner de los Ríos. Pedagogo, filósofo e ensaísta espanhol, foi discípulo de Julián Sanz del Río, criador e diretor da Institución Libre de Enseñanza (ILE), também promoveu projetos complementares como o Museu Pedagógico Nacional (1882-1941), o Conselho de Expansão dos Estudos (1907-1938), a Residência de Estudantes (1910-1939) ou das Colônias Escolares, e projetos que se concretizarão anos após sua morte, como as Missões Pedagógicas (1931-1937), originalmente concebidas como Missões Ambulantes.

Junto aos professores Manuel Bartolomé Cossío, Salvador Calderón y Gerónimo Vida realizou a Lisboa a primeira grande excursão que organizou a Institución Libre de Enseñanza (ILE) em 1883, conhecida como a “excursión memorable”. Começaram em Madrid, passaram por toda costa cantábrica, até Gijón, chegaram a La Coruña e continuaram a viagem para Santiago de Compostela e Vigo para descerem a Lisboa, de onde voltariam para Madrid. Em 1932 foi fundado em Lisboa o Instituto com o nome de Giner de los Ríos, sendo, por tanto, o mais antigo dos centros educativos espanhóis no estrangeiro.

10 de outubro: Giner de los Ríos

Giner de los Ríos pintado por Sorolla (Wikipedia)

9 de outubro: Dia Mundial das Aves Migratórias

Em Portugal, a andorinha simboliza a primavera, pois regressa ao local onde fez o seu ninho, assimilando-se ao lar, a família, a fidelidade e a lealdade. Rafael Bordalo Pinheiro moldou alguns exemplares de cerâmica em 1891 que proliferaram em decorações, tornando-se um ícone português.

A Península Ibérica, além de ser um refúgio de inverno para as aves europeias, é um dos principais corredores migratórios do mundo, pois estima-se que entre 30 e 50 milhões de aves cruzem o Estreito de Gibraltar duas vezes por ano na sua viagem de até 20.000 km para invernar em África. A viagem também é arriscada, já que as aves voadoras (cegonhas e aves de rapina) aproveitam as crescentes correntes de ar quente para voar enquanto essas correntes não se formam na superfície do mar e só podem cruzar quando está ventando, 60% dos dias, que tem que aproveitar para essa viagem que a maioria faz sozinha quando seu programa genético avisa quando migrar, em que direção e quanto tempo tem que durar. E também, 80% o fazem à noite para evitar a radiação solar e predadores.

No entanto, o aquecimento global está mudando as rotas das aves, à medida que mais e mais aves migratórias permanecem na Península Ibérica, chengando várias dezenas de espécies africanas para colonizar o Sul, uma vez que o Sul da Europa é cada vez mais parecido desde o ponto de vista ecológico com o Norte da África; e com o início da primavera e a época de reprodução, apenas as espécies que estão se a adaptar vêem suas populações aumentar.

9 de outubro: Dia Mundial das Aves Migratórias

Dia Mundial das Aves Migratórias (Gerador)

4 de outubro: A Mão Incorrupta de Santa Teresa

A Mão Incorrupta de Santa Teresa de Jesus é um relicário do século XVII que se encontra na Iglesia da Merced, na cidade de Ronda (Málaga). É uma peça de prata dourada incrustada com pedras preciosas que contém a mão de Santa Teresa de Jesus. Dez meses após a morte da santa, em outubro de 1582, seus restos mortais foram exumados. O seu corpo parecia incorrupto e flexível, pelo que o Padre Gracián cortou-lhe a mão e entregou-a às Carmelitas Descalças de Ávila e mais tarde às Carmelitas do convento de San Alberto de Lisboa.

No século XIX, as Carmelitas foram suprimidas pelo governo português e a mão passou para o Patriarcado, que por sua vez a entregou posteriormente ao novo Convento Carmelita dos Olivais. Com a revolução portuguesa de 1910, os Carmelitas foram expulsos do país, dispersando-se por vários conventos carmelitas em Espanha. Finalmente conseguiram encontrar-se no convento das Carmelitas Descalzas de Ronda, levando consigo o relicário com a mão de Santa Teresa.

4 de outubro: A Mão Incorrupta de Santa Teresa

A Mão Incorrupta de Santa Teresa na Iglesia da Merced, Ronda (Málaga)

30 de setembro: Día Internacional da Tradução

Inúmeros escritores têm-se interessado pela obra de autores portugueses ao longo do século XX e até ao presente, traduzindo-a para a sua publicação em Espanha. As versões de Eça de Queirós foram assinadas, entre outros, por Ramón del Valle-Inclán; as de Guerra Junqueiro, Eduardo Marquina; as de Castro, Francisco Villaespesa; as de Pascoaes, Fernando Maristany.

Um interessante elenco de mediadores para situar as vozes mais importantes das letras portuguesas modernas no universo literário espanhol. Foi Rubén Darío quem consagrou em Espanha a obra do poeta português mais popular e traduzido da época, o professor da Universidade de Coimbra Eugénio de Castro, cujo livro Oaristos (1890) o transforma no primeiro simbolista da península.

Mais recentemente, destacam-se vários vencedores do Prémio Eduardo Lourenço; Ángel Campos Pámpano como tradutor de poetas (Fernando Pessoa, António Ramos Rosa, Carlos de Oliveira, Eugénio de Andra, Sophia de Mello Breyner Andersen, entre outros), Antonio Sáez Delgado (tradutor de Fernando Pessoa, António Lobo Antunes, Manuel António Pina, José Gil e Teixeira de Pascoaes, entre outros); e Basilio Losada quem traduziu a Jorge Amado, Saramago, e que também recebeu em 1991 o Prémio Nacional de Tradução por A História do Cerco de Lisboa de J. Saramago, bem como José Antonio Llardent e Juan Eduardo Zúñiga, vendedores em 1987 pelas suas traduções de Poesias e prosas selectas de Antero de Quental, ou Mario Merlino em 2004 por Auto dos condenados de António Lobo Antunes.

30 de setembro: Día Internacional da Tradução

Día Internacional da Tradução (Gerador)

16 de setembro: Emilia Pardo Bazán

Nascida um 16 de setembro e cujo falecimento assinala o centenário em 2021, a escritora, colunista e crítica musical galega da Corunha, de personalidade independente que agitou os meios literários e intelectuais, ao tempo que abraçava o naturalismo literário, teve ao longo da vida uma admiração e um afecto invariável para com Portugal, cuja língua dominou entre outras. Escreveu em 1915: “Portugal é um país que nunca deixou de ser o meu país preferido e que tenho procurado conhecer o melhor possível, visitando-o várias vezes e tendo aí excelentes e inesquecíveis amigos”.

A presença de Portugal no seu trabalho jornalístico é precoce, como diretora da Revista de Galicia na qual incluiu uma secção dedicada à divulgação do movimento literário português. Admiradora de Castelo Branco, a quem considerava “o Balzac português”, manteve também correspondência com Teófilo Braga, Ramalho Ortigão e com Eça de Queiroz, a quem também conheceu pessoalmente, este último em Paris e cujas obras tinha quase completas. Não deixou de assinar o manifesto de escritores de vários países a favor de Portugal contra o Reino Unido em 1890.

16 de setembro: Emilia Pardo Bazán

Estátua de Emilia Pardo Bazán em Madrid

30 de julho: Tratado de Amizade e Cooperação entre Portugal e Espanha

Hoje, 30 de julho, é o Dia Mundial da Amizade e o celebramos recordando o Tratado de Amizade e Cooperação entre Portugal e Espanha. Este tratado foi um tratado bilateral, assinado entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha em 1977 e ratificado em 1978, com o objetivo de reforçar os laços de amizade e solidariedade entre os dois países europeus.

O Tratado, que está a ser revisado com a ideia da sua atualização, tem a finalidade manter uma prática de boa vizinhança e de múltipla cooperação, quer no plano bilateral, quer no quadro das organizações internacionais de que são membros, com vista à promoção dos ideais da liberdade, bem-estar social e progresso dos seus povos.

30 de julho: Tratado de Amizade e Cooperação entre Portugal e Espanha

Portugal e Espanha (Wikipedia)

14 de julho: Rio Douro

O rio Douro, desde a província de Sória até o Porto, é uma artéria central da vida das regiões a ambos lados da fronteira hispano-portuguesa, sendo um canal de transporte essencial para mercadorias e pessoas.

Porém, antigamente o Douro era um rio perigoso e indomável onde apenas alguns barcos conseguiam navegar. Cheio de correntes e baixios exigiam grande perícia e experiência para navegar.

Hoje em dia o Douro, com a construção de barragens, é um rio completamente navegável e estável que tem permitido o aproveitamento turístico através de cruzeiros que o percorrem diariamente.

14 de julho: Rio Douro

Rio Douro

7 de julho: Mafra-El Escorial

No dia 7 de julho de 2019, o Palácio Nacional de Mafra foi declarado Patrimonio Mundial pela UNESCO. Espanha e Portugal, contam na autalidade com um imenso patromónio de valor inigualável fruto do processo fruto do desenvolvimento histórico das suas instituições monárquicas, e os edifícios contruidos e bens culcurais adquiridos por estas ao longo dos séculos.

O Palácio Nacional de Mafra, à semelhança do Palácio de San Lorenzo del Escorial em Madrid, é um edifício barroco que foi mandado construir por D. João V, no século XVIII, está formado pelo Paço Real, uma Basílica, um Convento e uma Tapada. De facto, o nascimento da princesa Bárbara de Bragança, depois mulher do rei de Espanha Fernando VI, foi o que fez que o rei iniciara as obras.

Ambos os palácios têm em comum ser paragem habitual das famílias reais, e lugar de descanso dos mesmos., assim como ser dos das grandes joioas arquitetónicas do conjunto dos palácios de cada país.

7 de julho: Mafra-El Escorial

Palácio Nacional de Mafra (CM Mafra)